Menu

Adquira o livro: O Papa do Fim do Mundo - Lindolfo Dias

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

TROMBETAS E PRAGAS - O Sétimo Flagelo



O SÉTIMO FLAGELO, O TERCEIRO E ÚLTIMO “AI”

O sétimo flagelo, representado por trombetas e pragas, relata os derradeiros acontecimentos da história humana na Terra. Nessa época, no futuro próximo, tudo ter-se-á cumprido de acordo com a Palavra de Deus. Jesus então Se prepara para vir buscar o Seu povo. O caos domina o mundo. Todos sabem agora que o fim é inevitável e é chegado. Esses acontecimentos estão resumidos nos versículos bíblicos de Apocalipse 11:15-19 e 16:17-21 e são colocados aqui em sua provável ordem cronológica.


Os acontecimentos no Céu e os preparativos para a vinda de Jesus:

O sétimo anjo tocou a sua trombeta e houve grandes vozes no Céu, que diziam: Os reinos do mundo passaram a ser do nosso Senhor e do Seu Cristo, e Ele reinará para todo o sempre (15). E os vinte e quatro anciãos que estão assentados em seus tronos diante de Deus prostraram-se e adoraram a Deus, dizendo (16): Graças te damos, Senhor Deus Todo-poderoso, que és e que eras, porque tomaste o teu grande poder e reinaste (17)” (Apocalipse 9:15-17).

“O sétimo anjo derramou a sua taça no ar, e uma forte voz saiu do santuário, vinda do trono, dizendo: Está feito!” (Apocalipse 16:17).

Os acontecimentos na Terra:

“Iraram-se as nações, e veio a tua ira, e o tempo de serem julgados os mortos, e o tempo de dares a recompensa aos teus servos, os profetas, e aos teus santos, e a todos os que temem o teu nome, a pequenos e grandes, e o tempo de destruíres os que destroem a Terra (18). Abriu-se no Céu o templo de Deus e a arca da Sua aliança foi vista no Seu santuário. E houve relâmpagos, vozes, trovões, um grande terremoto e uma grande chuva de pedras (19)” (Apocalipse 9:18-19).

“Houve, então, relâmpagos, vozes, trovões e um grande terremoto, tão grande e tão forte como nunca tinha havido desde que o homem existe sobre a Terra. A grande cidade foi dividida em três partes. As cidades das nações caíram. Deus Se lembrou, então, da grande Babilônia, para lhe dar o cálice do vinho da indignação da Sua ira (19). Todas as ilhas fugiram e os montes desapareceram (20). E sobre os homens caiu uma grande chuva de pedras, cada pedra pesando cerca de trinta e cinco quilos. E os homens blasfemaram contra Deus por causa da chuva de pedras, pois esta praga era muito grande (21)” (Apocalipse 16:18-21).

1º – A Ressurreição Especial

O que é: A ressurreição de algumas pessoas especiais, numa ocasião especial, diferente das duas grandes ressurreições que estão estabelecidas para todos os mortos voltarem à vida. Nessa ressurreição especial umas pessoas, bem-aventuradas, ressurgirão da morte como prêmio à sua extraordinária fidelidade que honrou a Deus; outras, entretanto, os mais ferrenhos inimigos de Deus, de Sua verdade e de Seu povo, em todos os tempos, ressuscitarão para contemplarem a glória do Salvador que desprezaram e escarneceram.

A Palavra de Deus ensina que haverá duas grandes ressurreições: A ressurreição da vida e a ressurreição da condenação:

“... todos os que repousam nos túmulos ouvirão a Sua voz e sairão; os que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida, e aqueles que tiverem praticado o mal, para a ressurreição da condenação (João 5:28-29).

Mas a Palavra de Deus aponta, de maneira clara, para outra ressurreição - especial e parcial -, sem a qual ficam sem explicação, cumprimento e coerência alguns textos bíblicos.

O livro do Apocalipse afirma que Jesus virá com as nuvens, e “todo o olho O verá, até mesmo os que o traspassaram” (Apocalipse 1:7). Ora, é sabido que aqueles que o traspassaram foram homens ímpios e que apenas deveriam ressuscitar na ressurreição da condenação, após mil anos da vinda de Jesus. Também o livro de Daniel declara que nesse tempo (antes da volta de Jesus) “muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para a vergonha e o desprezo eterno” (Daniel 12:2). 

Ora, muitos não são todos. Aqui está implícito que alguns justos e alguns ímpios ressuscitarão numa mesma ocasião especial, para alguma razão também especial, antes das duas grandes ressurreições. Isto está em harmonia com as palavras que Jesus disse aos que O condenavam: “Em breve vereis o Filho do homem assentado à direita do Poder, e vindo sobre as nuvens do Céu” (Mateus 26:64). 

Quem verá Jesus em Sua primeiro retorno à Terra serão os que irão ressuscitar na primeira ressurreição, a ressurreição dos justos. Para que os seus assassinos O vejam nessa ocasião eles terão que ser uma exceção a essa regra. Deverão ressuscitar, então, numa ressurreição especial.

Quando acontecerá: Acontecerá 30 dias depois que a soberania do papa Francisco chegar ao fim, quando o aflito e perseguido remanescente de Deus tiver a suprema bem-aventurança de ouvir a voz do Todo-poderoso revelar o Seu segredo: o dia e a hora da volta de Jesus.

”E desde o tempo em que a abominação da desolação for estabelecida na cidade santa, e for tirado o ‘Aish Tamid’ (traduzido equivocadamente como “contínuo sacrifício”), haverá mil duzentos e noventa dias”. 

O “Aish Tamid” (אש תמיד), era a chama que ardia continuamente no altar do antigo tabernáculo judeu e que simbolizava a luz da verdade eterna no cerimonial do ritual judaico. Esta chama, que não existe mais, era a representação da verdade eterna, pelo Menorah, o candelabro com 7 lâmpadas, que simboliza “os sete Espíritos de Deus, o Espírito Santo (Apocalipse 4:5).

A futura soberania papal durará 42 meses ou 1260 dias (Apocalipse 11:2 e 13:5). Este é o período de sua hegemonia, desde a sua entronização até à sua ruína. A profecia bíblica indica que trinta dias depois de sua queda haverá um evento extraordinária: a ressurreição especial, desses dois grupos especiais. Um texto notável e inspirado esclarece esse acontecimento:

“Abrem-se as sepulturas, e ‘muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para a vergonha e desprezo eterno’. Daniel 12:2 Todos os que morreram na fé da mensagem do terceiro anjo saem do túmulo glorificados, para ouvirem o concerto de paz, estabelecido por Deus com os que guardaram a Sua lei. ‘Os mesmos que O traspassaram’ (Apocalipse 1:7). Os que zombaram e escarneceram da agonia de Cristo, e os mais acérrimos inimigos de Sua verdade e povo, ressuscitam para contemplá-Lo em Sua glória, e ver a honra conferida aos fiéis e obedientes” (O Grande Conflito, pag. 637, destaques acrescentados).

2º – Será revelado o mistério (ou segredo) de Deus e a bem-aventurança de alguns:

O Que é: O mistério ou segredo de Deus é o dia e a hora da volta de Jesus.

O evangelho é a suprema revelação de Deus para o Seu povo. O Todo-poderoso prometeu que não teria mistérios ou segredos para os Seus filhos, como está escrito em Sua sagrada Palavra:

“Certamente o Senhor Deus não fará coisa alguma sem ter revelado o Seu segredo aos Seus servos, os profetas” (Amós 3:7).

A exceção a esta regra é o que Jesus declarou:

“Porém daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do Céu, nem o Filho, mas unicamente meu Pai” (Mateus 24:36; Marcos 13:32).

Isto, sim, é um mistério e um grande segredo, afirmado pelo próprio Salvador, entendido e compartilhado por um texto revelador:

“O tempo exato da segunda vinda do Filho do homem é mistério de Deus” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, Cpb, pag. 633, destaque acrescido).
 
Quando será revelado: 75 dias depois da ruína papal e 45 dias depois da ressurreição especial, quando o Deus Todo-poderoso, com a Sua própria voz, anunciar o dia e a hora desse glorioso evento.

“Bem-aventurado é o que espera e alcança até mil trezentos e trinta e cinco dias” (Daniel 12:12).

“A voz de Deus é ouvida no Céu, declarando o dia e a hora da vinda de Jesus e estabelecendo concerto eterno com Seu povo” (Ellen G. White, O Grande Conflito, Cpb, pag. 640).

“O segredo do Senhor é para os que O temem; e Ele lhes fará saber o Seu concerto (Salmos 25:14).

Todas as informações se encaixam e se completam. Os textos bíblicos e do Espírito de Profecia se harmonizam, revelando que têm uma única fonte e inspiração: O Espírito Santo. Seguindo o conselho divino de remanejar os textos sagrados colocando-os em seu devido lugar, “regra sobre regra, um pouco daqui e um pouco dali” (Isaías 28:10), tudo se explica e se clareia. E, consolidando este entendimento a Revelação completa:

“Pelo contrário, nos dias em que o sétimo anjo tocar a sua trombeta, se cumprirá o mistério de Deus, como Ele anunciou aos Seus servos, os profetas” (Apocalipse 10:7).

A mensagem do terceiro anjo está no futuro. Ela somente será dada para advertir o mundo sobre o sinal e a imagem da besta e isto está no futuro, sem dúvida. O sinal da besta virá com a aceitação do domingo em lugar do sábado, por um decreto de feitura humana, promulgado pelo rei da Terra, que se colocará acima do decreto do Rei do Universo. E a imagem da besta será a manifestação do poder perseguidor da besta romana, rediviva através do protestantismo americano:

“Seguiu-os outro anjo, o terceiro, dizendo em alta voz: Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o seu sinal na testa, ou na mão (9), também beberá este do vinho da ira de Deus, preparado, sem mistura, no cálice da Sua ira. E será atormentado com fogo e enxofre diante dos santos anjos e do Cordeiro (10). A fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre. Não têm repouso, de dia ou de noite, os que adoraram a besta e a sua imagem, e aqueles que receberam o sinal do seu nome (11). Aqui está a perseverança (paciência) dos santos, daqueles que guardam os mandamentos de Deus e a fé de Jesus (12)” (Apocalipse 14:9-12).

Somente então é que vem a mesma promessa de bem-aventurança, “para os que morrerem na fé na mensagem do terceiro anjo” e que ressuscitarão na ressurreição especial:

“Ouvi então uma voz do Céu, que dizia: Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, eles descansarão dos seus trabalhos e as suas obras os acompanharão” (Apocalipse 14:13).
 
Esta bem-aventurança é a mesma de Daniel 12:12, literalmente, e acontece na sequência da perseguição mencionada no texto anterior:

Muitos serão purificados, embranquecidos e provados; no entanto os ímpios procederão impiamente e nenhum deles entenderá, mas os sábios entenderão” (Daniel 12:10).

A sequência dos acontecimentos dispensa comentários. 

3º – A ira das nações, a conflagração final;

Não mais haverá na Terra qualquer tipo de sentimento de nobreza ou afeição. O espírito satânico dominará completamente os povos e não existirá mais amor, paz, e harmonia e ternura entre as as famílias, cujos laços de fraternidade estarão completamente despedaçados. A consequência é o ódio e o egoísmo dominando sobre tudo e sobre todos. O roubo, os saques, os homicídios sem causa, o salve-se quem puder e a lei do mais forte prevalecerão nesses dias. Será cada um por si e o diabo por todos e em todos.  

4º – A destruição dos que destroem a Terra e a completa desolação mundial;

Os que destruíram a natureza e o meio-ambiente pela desmedida ambição e amor ao lucro agora verão o resultado de sua má escolha. Pode-se ter uma visão da assolação que estará dominando a Terra, nesse tempo, pela firme Palavra de Deus, que não falha e nem mente:

"A Terra será de todo devastada, e totalmente saqueada, porque o Senhor pronunciou esta Palavra. A Terra pranteia e se murcha; o mundo enfraquece e se murcha; enfraquecem os mais altos do povo da Terra. Na verdade a Terra está contaminada por causa dos seus moradores; porquanto transgridem as leis, mudam os estatutos e quebram a aliança eterna. Por isso a maldição consome a Terra, e os que habitam nela se tornam culpados; por isso serão queimados os moradores da Terra..."(Isaías 24:3-6). 

"As estradas estão desoladas, não há mais quem passe por elas; a Aliança foi quebrada, as testemunhas são desprezadas e não existe nenhum respeito entre os homens. A terra geme e pranteia;o Líbano se envergonha e se murcha; Sarom se torna como um deserto, Basã e Carmelo são despidos de suas folhas" (Isaías 33:8-9).

"Ai de vós, ricos, chorai e pranteai, por causa das misérias que sobre vós hão de vir. As vossas riquezas estão apodrecidas e e as vossas vestes comidas de traça. O vosso ouro e a vossa prata não terão nenhum valor e darão testemunho contra vós, e devorará a vossa carne como fogo, pois ajuntastes tesouros para os últimos dias. O salário dos trabalhadores que retivestes com fraude está clamando. E os clamores dos trabalhadores chegaram aos ouvidos do Senhor Todo-poderoso. Deliciosamente vivestes sobre a Terra, e vos deleitastes. Cevastes os vossos corações para o dia da matança. Condenastes e matastes o justo, que não vos pôde resistir" (Tiago 5:1-6). 

Realmente, como afirma o texto sagrado, "chegou a hora de destruir os que têm destruído a Terra". (Apocalipse 11:18).  

5º - A arca da Sua Aliança é mostrada com a sagrada lei escrita no Decálogo;

"A glória da cidade celestial emana de suas portas entreabertas. Aparece então de encontro ao céu uma mão segurando duas tábuas de pedra dobradas uma sobre a outra. Diz o profeta: 'Os céus anunciarão a Sua justiça; pois Deus mesmo é o Juiz' Salmos 50:6. Aquela santa lei, a justiça de Deus, que por entre trovões e  chamas foi do Sinai proclamada como guia da vida, revela-se agora aos homens como a regra do juízo. A mão abre as tábuas, e veem-se os preceitos do decálogo, como que traçados com pena de fogo. As palavras são tão claras que todos as podem ler. Desperta-se a memória, varrem-se de todas as mentes as trevas da superstição e heresia, e os dez preceitos divinos, breves, compreensivos e autorizados, apresentam-se à vista de todos os habitantes da Terra. É impossível descrever o horror e desespero dos que pisaram os santos mandamentos de Deus" (O Grande Conflito, pag. 639).
  
5º – A volta de Jesus, com poder e grande glória com os Seus anjos, nas nuvens;

6º – A ressurreição dos mortos salvos, mencionada na última trombeta;

“Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados (51), num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados (52)” (I Coríntios 15:51-52).

A última trombeta é a sétima e esta grande ressurreição trará de volta à vida todos os que morreram na esperança da salvação e foram justificados pela condenação e morte de Jesus.

“A grande cidade foi dividida em três partes. As cidades das nações caíram. Deus Se lembrou, então, da grande Babilônia, para lhe dar o cálice do vinho da indignação da Sua ira (19). Todas as ilhas fugiram e os montes desapareceram (20). E sobre os homens caiu uma grande chuva de pedras, cada pedra pesando cerca de trinta e cinco quilos. E os homens blasfemaram contra Deus por causa da chuva de pedras, pois esta praga era muito grande (21)” (Apocalipse 16:19-21).

O remanejo e a adequação dos textos pertinentes esclarecem a cronologia dos acontecimentos e sinalizam para o cumprimento da profecia, de maneira harmônica e clara:

“E o céu recolheu-se como um pergaminho que se enrola; e todos os montes e ilhas foram removidos dos seus lugares (14). Então os reis da Terra, os grandes, os generais, os ricos e os poderosos, e todo o servo e todo o livre, se esconderam nas cavernas e entre as rochas das montanhas (15). E diziam aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós, e escondei-nos da face daquele que está assentado sobre o trono, e da ira do Cordeiro (16)! Pois é chegado o grande dia da Sua ira, e quem poderá subsistir (17)?” (Apocalipse 6:14-17).

Os homens ímpios estarão desmaiando de terror, contemplando estarrecidos as coisas que sobrevieram ao mundo, estando toda a natureza abalada e subvertida. E “toda a Terra se lamentará”, contemplando a terrível visão do Deus que desprezaram e mataram: 

“Então verão vir o Filho do homem vindo numa nuvem, com poder e grande glória” (Lucas 21:27).

Terror, desespero e tardio arrependimento dos perdidos se contrapõem às manifestações de suprema alegria daqueles que veem realizados os seus mais acalentados sonhos, contemplando agora redimidos o Seu Salvador e para sempre livres do pecado, da tristeza e da morte.


Nota importante:



Uma corrente de interpretação tradicionalista, citando os textos de Efésios 3:3-6 e Gálatas 1:11, 12, ensina que o segredo de Deus é o evangelho, e que quando esta trombeta começar a soar, o evangelho estará cumprido e virá o fim (Estudos Bíblicos, Cpb, pag. 116).


A mesma publicação afirma, na página 119 reitera que: “O segredo ou mistério de Deus é o evangelho (Ef. 3:1-6; Gl. 1:11, 12). O evangelho, então, deverá ser consumado quando soar a sétima trombeta”.

À vista de tudo que foi exposto fica uma pergunta: O segredo ou mistério de Deus é o evangelho? Ou o evangelho não é segredo e mistério, mas sim a revelação de Deus? E, ainda, o segredo de Deus é o dia e a hora da volta de Jesus?

A resposta fica à escolha do querido leitor, que pode fazer livremente sua avaliação, à luz da Palavra de Deus, do Espírito de Profecia e do discernimento do Espírito.

Para facilitar esta escolha, os textos invocados por aqueles intérpretes para justificar a sua teoria ou opinião estão abaixo transcritos:

Efésios 3:1-6

"Por esta causa eu, Paulo, sou o prisioneiro de Cristo Jesus, por amor de vós, gentios (1), se é que tendes ouvido a respeito da dispensação da graça de Deus a mim confiada
para vós outros (2); pois, segundo uma revelação, me foi dado conhecer o mistério, conforme escrevi há pouco, resumidamente (3); pelo que, quando ledes, podeis compreender o meu discernimento do mistério de Cristo (4), o qual, em outras gerações, não foi dado a conhecer aos filhos dos homens, como, agora, foi revelado aos seus santos apóstolos e profetas, no Espírito (5), a saber, que os gentios são co-herdeiros, membros do mesmo corpo e co-participantes da promessa em Cristo Jesus por meio do evangelho (6)".

Observação 1: Parece claro que o apóstolo está se referindo, nesses versículos, ao seu discernimento sobre a salvação dos gentios, o que para os judeus era uma surpresa e novidade, porque acreditavam que somente eles, como filhos de Abraão “mereciam” a salvação. Mais do que isso, ele está falando com ênfase e clareza que essa boa nova pode ter sido desconhecida em outros tempos, outras gerações, mas que “agora, foi revelados aos seus santos apóstolos e profetas” (Verso 5). Ou seja, o evangelho não é mistério ou segredo, mas boas novas, revelação de Deus.

Gálatas 1:11-12:

"Faço-vos, porém, saber, irmãos, que o evangelho por mim anunciado não é segundo o homem (11), porque eu não o recebi, nem o aprendi de homem algum, mas mediante revelação de Jesus Cristo (12)".

Observação 2: Ooops!!! O outro texto apresentado para justificar a interpretação tradicionalista não fala de segredo ou mistério, mas de REVELAÇÃO!

O QUE PARECE SER UM MISTÉRIO É: “COMO TEXTOS TÃO CLAROS E DIRETOS SÃO UTILIZADOS E MESMO MANOBRADOS PARA FORÇAR E FORJAR UMA INTERPRETAÇÃO ESPÚRIA E EQUIVOCADA?!”
 

Um comentário :

  1. Querido irmão só digo que tínhamos de estudar juntos. Acho que iria ser super produtivo. Na verdade o mistério de Deus não é o evangelho e estarei postando no meu blog a real aplicação do mistério de Deus como esta em efésios 3.

    A paz do Senhor

    ResponderExcluir