Menu

Adquira o livro: O Papa do Fim do Mundo - Lindolfo Dias

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

TROMBETAS E PRAGAS - O Primeiro Flagelo



O PRIMEIRO FLAGELO

A centenária interpretação tradicional atribui à invasão dos bárbaros godos, sob a liderança de Alarico I, no ano 410, o cumprimento da primeira trombeta. A palavra saraiva do texto profético é justificada pelo fato de os invasores serem originários do Norte; o termo fogo é considerado como sendo consequência da destruição das cidades e dos campos pelo fogo; e sangue, “devido à terrível mortandade dos cidadãos do império pelos ousados e intrépidos guerreiros” Uriah Smith, As Profecias do Apocalipse, pag. 126, ref. em Estudos Bíblicos, Cpb, Ed. 2011, pag. 113.


Os escritos de Uriah Smith tiveram “grande influência na formação do pensamento adventista sobre as profecias” e se tornou a “referência sobre o assunto por cerca de 75 anos” (George R. Knight, Para Não Esquecer – Meditações Diárias, Cpb, pag. 132). Os escritos desse autor tiveram como base a obra “Declínio e Queda do Império Romano”, do historiador inglês Edward Gibbon, e tiveram prevalência até à década de 1950.

Uriah Smith era um estudioso das profecias, mas um homem normal, com ideias e opiniões pessoais, tendo sido “o cabeça na onda de lançar dúvidas sobra a obra de Ellen White” (Para Não Esquecer, pag. 296). Estas considerações são feitas para afirmar que os seus escritos e opiniões, hoje em grande parte descartados, não são definitivos, conclusivos e nem infalíveis. Mas, estranhamente, continuam a ser teimosamente defendidos por grande parte da liderança e de teólogos e estudiosos adventistas.

Este trabalho defende com convicção as trombetas como sendo flagelos associados às últimas pragas e que acontecerão após o término do julgamento no Céu e que terão cumprimento literal no futuro próximo.

A PRIMEIRA TROMBETA, O ACONTECIMENTO:

Apocalipse 8:7 – “E o primeiro anjo tocou a sua trombeta, e houve saraiva e fogo misturado com sangue, e foram lançados na terra, que foi queimada na sua terça parte; queimou-se a terça parte das árvores, e toda a erva verde foi queimada”.

A PRIMEIRA PRAGA, AS CONSEQUÊNCIAS:

Apocalipse 16:2 – “E foi o primeiro, e derramou a sua salva sobre a terra, e fez-se uma chaga má e maligna nos homens que tinham o sinal da besta e que adoravam a sua imagem”.

A impressão que se tem é que um texto está entrelaçado com o outro e tem com ele perfeita correlação. O primeiro parece indicar o evento e o segundo a sua consequência. O que quer que tenha sido lançado na terra provocou incêndio e queimou grande parte da região, provocando feridas terríveis nas pessoas que não estavam protegidas pelo selo de Deus. Os textos parecem se completar e consolidar na seguinte sequência:

O PRIMEIRO FLAGELO, TEXTO CONSOLIDADO:

“E o primeiro anjo tocou a sua trombeta e derramou a salva sobre a terra, e houve saraiva e fogo misturado com sangue, e foram lançados na terra, que foi queimada na sua terça parte; queimou-se a terça parte das árvores, e toda a erva verde foi queimada... e (em consequência) fez-se uma chaga má e maligna nos homens que tinham o sinal da besta e que adoravam a sua imagem”.

O primeiro grande evento parece ter correspondência com os dois textos seguintes revelados aos profetas de Deus e podem dar início à sequência de eventos que só terminará no dia da volta de Jesus.

Joel 2: 19-20 - A ti, ó Senhor clamo, porque o fogo consumiu os pastos do deserto, e a chama abrasou todas as árvores do campo (19). Também todos os animais do campo bramam a ti; porque os rios se secaram, e o fogo consumiu os pastos do deserto (20)”.

Zacarias 14:12 - “E esta será a praga com que o Senhor ferirá a todos os povos que guerrearam contra Jerusalém: a sua carne será consumida, estando eles de pé; e lhes apodrecerão os olhos nas suas órbitas, e lhes apodrecerá a língua na sua boca” (Zacarias 14:12).

O texto indica que haverá um grande acontecimento que provocará uma terrível catástrofe, de proporções inimagináveis. Pode ser uma tragédia ambiental, mas a expressão “e foram lançados” sugere uma ação deliberada,  provocada por algum agente externo. As consequências são destruição ambiental e talvez a contaminação radiativa, natural ou artificial, que sabidamente provoca terríveis alterações no organismo humano, como deformações físicas e tumores de intensidade e forma variados.

Nenhum comentário :

Postar um comentário